A mão de uma mulher branca segura um cone vaginal prateado com o cordão enrolado em seu dedão.

Ginástica íntima: entenda para que servem os cones vaginais

Fisioterapeuta pélvica explica como fazer os exercícios com os acessórios e quais os benefícios para a saúde sexual

Por Laíse Veloso

Cones vaginais são um tipo de acessório em cápsula usado no canal vaginal para fortalecer a musculatura do assoalho pélvico por meio de exercícios específicos (popularmente conhecidos como Kegel ou pompoarismo). Eles são pequenos, possuem formato anatômico para uma introdução confortável e um cordão de silicone para facilitar sua retirada da vagina.

Embora possam ser encontrados de forma avulsa, os cones vaginais geralmente vêm em kits de 5 dispositivos. Eles têm formato e tamanho exatamente iguais, mas variam progressivamente de peso: o mais leve tem cerca de 20g e o mais pesado, 100g.

Para que serve

Quando o cone é introduzido na vagina e a pessoa fica em pé, o peso desse dispositivo sobre os músculos da região gera uma consciência corporal e um reflexo involuntário que ativa a musculatura do períneo para impedir sua queda. O objetivo do exercício é justamente manter o cone no canal vaginal e não o deixar cair, sustentá-lo como se fosse uma anilha de academia.

Benefícios à saúde sexual

Fortalecer a musculatura do assoalho pélvico é tão importante quanto qualquer outra parte do nosso corpo. Os cones são um ótimo recurso porque aumentam a intensidade desse treinamento. Alguns benefícios comprovados da ginástica íntima:

  • Previne e trata incontinência urinária;
  • Aumenta o trofismo da vagina (“fica mais apertadinha”) e a circulação sanguínea da região, diminuindo a sensação de vagina larga ou frouxa;
  • Torna a penetração mais prazerosa (sente mais a fricção interna);
  • Potencializa as contrações do orgasmo.

Como usar

O exercício deve ser iniciado com o cone mais leve. A pessoa pode introduzi-lo no canal vaginal e apenas deixá-lo lá enquanto realiza atividades rotineiras em pé (como tomar banho ou lavar louça). Ou então se desafiar em atividades que favorecem a descida do cone (como pular, agachar, subir escada, erguer peso), sempre tentando retê-lo dentro da vagina.

À medida que o exercício se tornar fácil e o cone não cair da vagina, a pessoa pode progredir para o peso seguinte – e assim gradativamente. O acessório pode fazer parte da rotina de ginástica íntima, mas deve ser usado 20 minutos por dia, no máximo.

Apesar do uso simples dos cones vaginais, é interessante passar por uma avaliação em fisioterapia pélvica ao invés de começar o treino com eles por conta própria. Assim você descobre se tem consciência perineal para conseguir utilizá-los da forma correta e qual o exercício mais indicado para o seu caso.

Cuidados e contraindicações

  • Muito tempo com o cone vaginal introduzido aumenta o risco de candidíase;
  • Higienize o cone antes e após o uso para evitar infecções genitais;
  • Não compartilhe o cone com ninguém – ele é individual e intransferível;
  • Não devem usar o cone vaginal: gestantes, pessoas no pós-parto ou pós-cirurgia ginecológica, durante infecção urinária;
  • Não use ao mesmo tempo que absorvente interno, copinho menstrual etc;
  • Não use durante a penetração vaginal de pênis, dedos ou objetos.

O cone vaginal também não é indicado no tratamento de vaginismo, a dor que dificulta ou impede a penetração vaginal. Se alguém te falou isso... fuja que é cilada! Existem outros protocolos mais adequados e eficazes: procure profissionais especialistas no atendimento dessa disfunção sexual.

E cuide da sua saúde perineal sempre! Com ou sem cone, realize sua rotina de ginástica íntima regularmente.

*Foto: Pexels

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.