Uma mulher branca de calcinha segura uma rosa vermelha em frente à região genital.

Os benefícios do laser íntimo para a vida sexual

Terapias de calor tratam de incontinência urinária à secura vaginal e dor na penetração

Por Carolina Ambrogini

O laser íntimo e outras terapias de calor (radiofrequência ou ultrassom microfocado) vem revolucionando os cuidados com a região genital de pessoas com vagina. Assim como o resto do nosso corpo, vulva e vagina envelhecem. Elas estão sujeitas a mudanças que impactam suas funções – por exemplo, reter a urina ou lubrificar para que o sexo seja prazeroso. O grande benefício desse tipo de tratamento tecnológico não é estético, mas o restabelecimento funcional da vagina.

Para que serve

O órgão é muito afetado pela falta de estrogênio causada pela menopausa ou por longos períodos de amamentação. O déficit deste hormônio provoca um afinamento da mucosa genital e, consequentemente, interfere na sua vascularização (fluxo sanguíneo). Isto reduz ou lentifica o processo de excitação durante a relação sexual. Muitas vezes resulta em secura vaginal, dor na penetração e fissuras.

Com o processo de envelhecimento, há também a perda de colágeno em toda a região pélvica (músculos, mucosa, lábios vaginais), gerando flacidez e menor elasticidade vaginal, além de maior propensão à incontinência urinária de esforço se existem outros fatores associados - como obesidade ou múltiplos partos vaginais.

Como funciona

O laser íntimo e outras terapias de calor emitem um feixe de luz que provoca um dano térmico na mucosa e na pele. Numa tentativa de se recuperar desse dano, o corpo produz mais colágeno e aumenta a vascularização local. Como consequência, a região fica mais irrigada de sangue, facilitando o processo de lubrificação e excitação, além da elasticidade vaginal.

A vulva também pode se beneficiar do laser íntimo com a redução da flacidez dos lábios vaginais (que naturalmente “caem” com o tempo) ou coloração de determinadas zonas (afetadas, por exemplo, por atividades intensas como ciclismo). Não dá para negar que sentir-se confortável com o próprio genital é aspecto importante para uma vida sexual satisfatória.

Cada terapia de calor atua por um mecanismo e, para cada objetivo, há um protocolo diferente. O laser íntimo é aplicado no consultório médico, por meio de um instrumento semelhante ao que realiza exame de ultrassom transvaginal. Antes de introduzi-lo, aplica-se um gel anestésico para evitar possíveis desconfortos com os feixes de luz quente. A dor é bem tolerada e a sessão dura, em média, 20 minutos.

A recuperação costuma ser tranquila, tendo apenas um leve incômodo local, mas que não impossibilita a pessoa de realizar suas atividades cotidianas. A única restrição é atividade sexual por cinco a sete dias (a depender do método). No geral, são aplicadas de duas a três sessões por ano, com distância mínima de um mês entre elas.

O efeito desse tipo de aplicação dura cerca de um ano, sendo necessária manutenção após esse período. O maior inconveniente é o valor, já que estas terapias não costumam ser baratas. Cada sessão de laser microablasivo custa em torno de R$1400-1800, sem reembolso pelos planos de saúde.

Para quem recebeu recomendação médica e tem condições de arcar com os custos... vale o investimento! Inovadoras, terapias de calor como o laser íntimo surgiram como grandes aliadas da saúde - seja para tratar incontinência urinária leve, quanto melhorar a autoestima genital e manter a vida sexual mais prazerosa por mais tempo.

*Foto: Pexels / Karolina Grabowska

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.