Foto: Unsplash / We Vibe Descrição da imagem: Um homem e uma mulher brancos se beijam debaixo de um chuveiro. Gotas de água escorreguem sobre seus corpos nus.

O que acontece com o corpo durante o sexo?

Conheça as quatro fases do ciclo de resposta sexual: desejo, excitação, orgasmo e resolução

Por Théa Murta*

Você sabia que o corpo da mulher e do homem funcionam de maneiras - e em compassos - diferentes antes, durante e depois do sexo? Pois é! Existem explicações fisiológicas, emocionais e até sociais para isso. Essas descobertas são relativamente recentes, remontam há algumas décadas atrás...

Entre 1954 e 1965, os pesquisadores William Master (médico) e Virginia Johnson (psicóloga) observaram mais de 10 mil atividades sexuais. A partir desse amplo estudo, eles afirmaram que a resposta sexual humana ocorria em um ciclo com quatro etapas:

  • Excitação - se desenvolve a partir de estímulos físicos e/ou psicológicos;
  • Platô - estabilização da tensão sexual em níveis altos com a continuidade da estimulação;
  • Orgasmo - clímax e descarga da tensão sexual por meio de contrações musculares involuntárias de intensas sensações de prazer limitada à poucos segundos;
  • Resolução - fase gradual e progressiva de retorno aos níveis básicos de relaxamento após o clímax.

Em 1979, a médica Helen Kaplan sugeriu um novo modelo que introduzia o conceito de desejo no ciclo sexual – ou seja, a motivação para estabelecer relação sexual a partir de algum estímulo sensorial [nota da editora: vamos falar mais sobre tesão e libido nas próximas colunas].

Os sinais da excitação

Durante o processo de excitação, os órgãos genitais recebem uma quantidade de fluxo sanguíneo muito maior para que modificações corporais aconteçam, tornando a relação sexual mais confortável e prazerosa. Nas mulheres cisgênero e demais pessoas com vagina, se inicia a lubrificação vaginal, os dois terços anteriores da vagina se expandem, o útero se move para cima, os lábios vaginais externos se afastam da abertura vaginal, o clitóris aumenta de volume. Já nos homens cisgnênero e demais pessoas com pênis, o órgão sexual fica ereto e rígido, os testículos também aumentam de tamanho e se elevam. Em ambos os mamilos ficam eretos, os batimentos cardíacos aumentam e a pressão arterial sobe.

Como funciona o orgasmo

Essas alterações fisiológicas se intensificam com a continuidade do estímulo erótico, o que pode levar ao ápice do prazer. Durante o orgasmo, as pessoas com vagina sentem fortes contrações involuntárias do músculo do assoalho pélvico e do útero; nas pessoas com pênis, tais contrações costumam resultar em uma ejaculação – a emissão do sêmen.

Perda de ereção x Orgasmos múltiplos

A fase da resolução é caracterizada pelo retorno do corpo aos níveis básicos de relaxamento.  Nas pessoas com pênis, a característica principal é a perda da ereção e, em muitos casos, a necessidade de um descanso (período refratário) até conseguir uma nova ereção e ejaculação. Já nas pessoas com vagina, mesmo com o retorno do corpo aos níveis básicos de relaxamento, ainda é possível dar continuidade nos estímulos de prazer e seguir tendo mais orgasmos.

Por que o tempo entre duas pessoas às vezes não bate?

O tempo para a excitação em homens e mulheres é diferente por causa dos aspectos fisiológicos e anatômicos (o pênis requer menos quantidade de sangue que a vulva e a vagina, por exemplo), mas também há uma explicação psicológica e social (a forma como cada gênero é educado e desenvolvido sexualmente ao longo da vida).

De modo geral, desde muito novos os homens cisgênero são incentivados tanto para a masturbação quanto a ter experiências sexuais com outras pessoas. Eles têm maior autoconhecimento a respeito do próprio corpo e criam uma relação mais natural com o prazer sexual. Isso faz grande diferença no exercício da sexualidade na vida adulta.

As mulheres cisgênero, por outro lado, são desde sempre distanciadas de seus corpos, do prazer consigo mesma e com outras pessoas. Consequentemente podem ter mais dificuldades em receber e desfrutar dos estímulos sexuais. Muitas vezes, em relacionamentos heterossexuais, iniciam a penetração ou outros estímulos sexuais sem estarem realmente excitadas, lubrificadas e dispostas para o sexo - devido à falta de conhecimento ou à pressão do parceiro para início da penetração. Com isso podem experimentar uma prática incômoda, dolorosa, sem prazer e sem satisfação.

Compreender o Ciclo de Resposta Sexual Humana e como o organismo de homens e mulheres reage de formas diferentes durante o sexo é algo muito importante tanto para obter o próprio prazer quanto contribuir com a satisfação sexual da pessoa que está com você entre quatro paredes.

*Théa Murta é psicóloga e sexóloga. Especialista em Análise do Comportamento, Neuropsicologia e Sexualidade Humana. Atendimento especializado em saúde da mulher.

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.