Uma mulher branca de peruca lilás na altura do queixo e blusa de alcinha está dançando entre dois homens brancos. Ela olha para baixo, enquanto eles a encaram.

Conto erótico: Decido dormir nua

Na calada da madrugada, um convite inesperado envolve sexo a três e dupla penetração

Por Volúpia*

Chove na cidade. O barulho me convida a escrever algo antes de dormir. Ou procurar uma ressonância de desejos e talvez uma possibilidade de conversa, mesmo pela tela do celular. Do outro lado apenas ouço o reverberar da minha voz. A distância mantém o silêncio. Penso em me tocar, mas gostaria que ele dissesse como.

Quero alguma faísca de sua ausência tão presente. Do seu desejo e do seu controle. Incrível como permito que ele me direcione - sei que está inteiro ali para compartilhar o prazer. Sinto sono, mas a expectativa de que ele leia e me responda com suas frases diretas polidas ou eróticas explícitas me mantém acordada. Espero. Decido dormir nua.

Sou despertada pelo tesão da madrugada. Recebi um retorno com uma daquelas mensagens enigmáticas que me convidam ao seu encontro. Hesito em responder logo ao seu chamado, mas sinto uma agitação tomar conta do meu corpo, algo que não pode ser evitado quando me excitam e conhecem profundamente o meu desejo por prazer.

Reviro um pouco na cama, pensando o que me reserva no local enviado e sinto minha buceta latejar de vontade de descobrir. Esqueço o frio por um momento e escolho uma roupa fácil, apenas para cobrir meu corpo – calça, camiseta e um casaco quente. Respondo sua mensagem confirmando o local e escolho uma garrafa de tinto para me acompanhar até lá.

Sou habitué dessas visitas noturnas àquele endereço. O porteiro nem mais me aborda, trocamos apenas olhares mudos enquanto entro no prédio, ansiosa para encontrar os dois. Sim, dois. Sou recebida por eles na porta: entrego o vinho ao homem desconhecido e logo sou devorada com um beijo conhecido.

Ele gruda o corpo no meu, antecipando sua vontade e me mostrando quem dirigiria o encontro desta vez. Ainda estou contra a porta, agora já dentro do apartamento, pernas entrelaçadas em sua cintura, sentindo seu pau sobre a minha roupa. Sua boca incansável desliza pelos meus seios por cima da blusa e suas mãos estão enfiadas dentro da minha calça, buscando se molhar em minha buceta.

O desconhecido assiste tudo enquanto abre a garrafa. “Não há tempo para perguntas”, ele me diz com seu olhar decidido e entendo a mensagem. Ganho uma taça de vinho do seu amigo, que se junta a nós em um brinde mudo, trocando olhares de desejo. Após alguns goles, decido experimentar a boca desconhecida. Minhas mãos e minha língua investigam o potencial daquele cara a partir desse primeiro reconhecimento...

Durante esse beijo inédito, sinto uma presença nas minhas costas e uma língua na minha nuca. Em meu ouvido, ele diz que a cama nos espera. Sinto uma onda descer minha espinha e suas mãos no meu quadril a me direcionar para o quarto. O apartamento fica quente. Os dois ajudam a me livrar daquelas roupas pelo caminho - antes do destino já estou nua.

O desconhecido me deita na cama e voltamos a nos beijar. Ele começa a explorar cada centímetro dos meus seios com sua língua, enquanto o outro desce para lamber minha buceta. Nunca tinha sentido duas línguas ao mesmo tempo no meu corpo. O tesão só aumenta junto aos meus gemidos de prazer.

Sinto uma boca e respondo com um gemido abafado na boca do desconhecido, enquanto gozo no rosto dele, já estou completamente molhada e percebo seus dedos dentro de mim. Ele me vira de costas para lamber meu cu, enquanto o amigo segue me tocando. Sinto o entrar e sair de dedos da minha buceta, do meu cu e vou ficando cada vez mais descontrolada com vontade de substituí-los por aqueles dois paus deliciosos.

Procuro uma boca para preencher a minha e essa sensação de estar preenchida em todos os meus buracos vai aumentando conforme sinto mais prazer e gozo ali. O desconhecido sussurra em meu ouvido: “Senta em mim”. Ajoelho em volta daquele corpo e obedeço. Ele olha de fora, mantendo as mãos no meu quadril para que os movimentos se intensifiquem sobre aquele pau. Ele me beija enquanto gozo sentada no seu amigo e meu gemido ecoa em sua boca.

Meu corpo pulsa inteiro e está aberto para sentir prazer, minha pele toda se excita com qualquer toque. Aceito as posições sem objeção: estamos lá para gozarmos juntos. Deito na cama e o desconhecido volta a encaixar o seu pau em minha buceta quente. Todo o seu corpo cobre a frente do meu, minha perna entrelaça a dele. Sinto outro corpo em minhas costas, seu pau encostar e descobrir o meu rabo, sua mão molhada lambuzar meu cu e vou ficando mais excitada.

Sei que ele vai me foder por trás ao mesmo tempo que estou com o pau do seu amigo dentro de mim. Ele pergunta em meu ouvido se quero sentir seu pau também e respondo com um sim na sua boca. Sua mão encaixa seu pau no meu cu. Eles sincronizam a penetração e enfiam devagar aqueles dois pintos latejantes e duros, que preenchem meu corpo de uma maneira que eu nunca sentira. Solto um grito de prazer e começo a gemer alto com os urros dos dois.

Gozo muito e os dois ficam molhados com meu gozo, ainda mais excitados. Perco a consciência por alguns instantes e sou só meu corpo vibrando num orgasmo intenso, tremendo inteira com os dois dentro de mim. O desconhecido goza e tira seu pau de dentro da minha buceta encharcada. Mudo de posição e terminamos de quatro enquanto ele me penetra fundo, agora na buceta, para que sincronizemos nosso último orgasmo.

A exaustão toma forma em nossos corpos após seu gemido derradeiro. Desmoronamos na cama e o sono me invade. Eles desaparecem no apartamento. Acordo apenas com ele. Não sei se foi sonho ou realidade. Nem desejo perguntar.

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.