Três pessoas estão dormindo em uma cama que fica embaixo de uma janela aberta, por onde entra a luz do dia. À esquerda, um homem branco, ao centro, um homem branco de barba rala envolve com o braço uma mulher branca de cabelos longos.

Conheça as fantasias sexuais preferidas de homens e mulheres

Sexo a três, troca de casais, sentir dor, transar em público... O que te excita pode ser mais comum do que você imagina

Por Marina Zaneti*luv

“Estou vestida como uma professora sexy, usando uma saia curta, uma blusa decotada com sutiã acolchoado e um salto muito alto. Estou com uma maquiagem diferente do normal, muito mais provocante. Eu me vejo perto da minha mesa, olhando para o único homem que está sentado na sala de aula. Eu me sinto muito sexy e mal posso esperar para provocá-lo. Eu o provoco de várias maneiras. Eu tenho o controle e ele fica tão excitado que me come lá, na sala de aula, na minha escrivaninha. (mulher cisgênero, 22 anos).”

Este trecho foi retirado de uma pesquisa** italiana recente que avaliou as fantasias sexuais em homens e mulheres, assim como em pessoas não binárias. No relato acima, o poder parece central. O poder é o elemento e a essência de todas as fantasias de conquista. É expresso na habilidade para comandar ou seduzir alguém a manter relacionamento sexual. Se estiver presente a força física, com consentimento, pode então ser classificada como sadomasoquismo.

Características das fantasias sexuais

As fantasias sexuais podem variar de imagens mais realistas a completamente irrealistas (como um dragão ou um extraterrestre, um castelo no tempo medieval), envolver imagens mais românticas e emocionais (casal apaixonado) ou serem explícitas e estritamente focadas na atividade sexual (sexo grupal onde as pessoas não se conhecem), ocorrer durante a masturbação, atividades sexuais, com parcerias ou sem envolvimento em qualquer atividade sexual. Por fim, podem ser espontâneas (surgem do nada) ou intencionais (querer fantasiar).

O que te excita?

No livro “Tell me what you want” (“Conte-me o que você deseja”, na tradução livre do inglês), publicado em 2018, o psicólogo Justin Lehmiller, pesquisador do Instituto Kinsey de Sexualidade, revela os resultados de sua ampla pesquisa sobre fantasias sexuais. Foram entrevistadas mais de 4 mil pessoas com idades entre 18 e 87 anos. Sexo com mais de duas pessoas figurou entre as fantasias mais populares: 89% gostariam de estar em um “Sexo a três” e 74% se excitam com a ideia de fazer orgia. “Sentir dor” (receber tapas, mordidas, cera quente etc) é o desejo erótico de 65% das pessoas participantes da pesquisa.

“Sair da rotina”, como transar em posições diferentes e em outros lugares, também apareceu como uma fantasia sexual bastante frequente no estudo de Lehmiller. A maioria das mulheres entrevistadas frequentemente se imagina fazendo “Sexo em público” e os locais mais citados foram escritório, parque e elevador. Outro dado interessante é que 79% dos homens e 62% das mulheres gostariam de fazer sexo com outras pessoas com a permissão da parceria amorosa. E, ainda, 58% desse grupo se empolgam com a possibilidade de ver sua parceria amorosa transando com outra pessoa...

Preferências por gênero?

Os estudos mais antigos sobre fantasias sexuais eram focados nas diferenças entre os gêneros. As mulheres trariam conteúdo mais emocional/ romântico, submisso, envolvendo parceiros atuais ou prévios e focado em seus corpos como objetos de desejo. Os homens possuiriam conteúdos predominantemente mais ativos, de dominação e impessoais, com atos sexuais específicos como sexo em grupo, descrição de partes do corpo (como pés) e maior variedade de parcerias, além de mais focados nos corpos do objeto desejado.

Em outras palavras: ao fantasiar, os homens se concentrariam mais na aparência das mulheres, enquanto elas teriam como foco o interesse dos homens em sua aparência. Considerando que a sexualidade masculina seria mais visual (provocada pela aparência física) e proativa do que a feminina e, portanto, eles seriam menos propensos a se verem como o objeto dos desejos de outra pessoa.

O estudo italiano publicado em 2020 e citado no início deste texto foi na contramão das evidências existentes até então. Os pesquisadores saíram do binarismo homem-mulher e avaliaram o conteúdo das fantasias sexuais de pessoas não-binárias. Estas seriam mais propensas a fantasiar sobre sexo anal, uso de brinquedos sexuais durante a relação sexual, relações poliamorosas e assumirem um papel de outra pessoa. No entanto, é interessante a conclusão a que chegam: “os temas predominantes que apareciam nas fantasias sexuais das pessoas eram muito semelhantes. Em outras palavras, há muito mais que nos une do que nos divide em nossos mundos de fantasias”.

*Marina Zaneti é psiquiatra especialista em Transtornos da Sexualidade Humana pela USP. Mestre em Ciências pela Unifesp, ex-voluntária do Projeto Afrodite e Núcleo Trans (Unifesp). Integrante do Coletivo Ser e entusiasta da sexualidade como instrumento na construção de liberdade, autonomia e afeto.

**Lindley, L. M., Anzani, A., Prunas, A., & Galupo, M. P. (2020). Sexual fantasy across gender identity: a qualitative investigation of differences between cisgender and non-binary people’s imagery. Sexual and Relationship Therapy, 1-22.

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.