Mãos ajustam delicadamente uma pequena vulva feita de argila na cor preta. À esquerda, outro modelo igual na cor marrom.

Existe clitóris “fraco”, grande ou supersensível?

Entenda a anatomia do órgão sexual, os diferentes tipos e como sua ereção é fundamental para o orgasmo feminino

Por Laíse Veloso

O clitóris é muito maior que aquela pontinha visível e tem ereção, assim como o pênis. Não sabia? Se essas informações são surpreendentes para você, é provável que a entrevista a seguir com a fisioterapeuta pélvica e sexóloga Laíse Veloso cause uma (necessária) reflexão na sua vida sexual - especialmente se você tiver uma vulva ou se relacionar com alguém que tem.

Pessoas com vagina não foram sequer ensinadas direito sobre sua anatomia reprodutiva, imagine então o que silenciaram sobre um órgão feito exclusivamente para levar esses corpos ao orgasmo... Ainda bem que há sempre tempo para aprender, explorar, se apropriar do próprio clitóris – e gozar com ele.

- Como é a estrutura do clitóris, onde se localiza e qual o papel dele no nosso corpo?

LAÍSE – O clitóris é um órgão erétil cuja única função é proporcionar o prazer sexual das pessoas com vulva. Sua estimulação adequada facilita e potencializa o orgasmo. Popularmente ele é conhecido apenas como uma pequena estrutura localizada no topo da vulva, na junção dos lábios vaginais internos.

Essa parte externa e visível é a glande (com tamanho variando entre 5 e 8 mm), mas apenas a ponta do iceberg. A maior parte do clitóris é interna, chegando até 10 cm de comprimento e formato de “Y” invertido [como na foto a seguir]. São dois componentes principais: os corpos cavernosos servem de fixação para o órgão e os bulbos do vestíbulo “abraçam” o canal vaginal.

Estima-se que o clitóris tenha cerca de 8 mil de terminações nervosas altamente sensíveis, o dobro da quantidade encontrada no pênis, o que faz desse órgão uma das regiões mais inervadas do corpo. A glande do clitóris concentra a maior parte desses receptores – o que a torna mais sensível e erógena.

- Existem diferentes tipos de clitóris? Alguns são mais favoráveis ao orgasmo que outros?

LAÍSE – Assim como outros órgãos do corpo humano, o clitóris pode apresentar diferentes formatos e tamanhos, variando de acordo com a estrutura corporal da pessoa e com níveis hormonais. Cada clitóris é único!

Alguns ficam “escondidos” sob a pele do prepúcio, enquanto outros se destacam mais exteriormente. Essa variação anatômica está relacionada à diferença de sensibilidade clitoriana. Mas não necessariamente com maior prazer.

Para algumas pessoas, uma pressão ou estimulação direta no clitóris pode ser intenso demais. Por isso há quem prefira toques ao redor da glande. Quando a glande do clitóris fica mais exposta, pode causar desconforto físico e descontentamento estético.

- Essas variações são genéticas ou o clitóris muda ao longo da vida como os lábios vaginais?

LAÍSE – O tamanho da glande é influenciado por fatores hormonais, principalmente estrogênio e testosterona. Quando a pessoa com vulva passa por um estado de privação hormonal, como na menopausa, o tamanho do clitóris diminui, tornando mais difícil a percepção dos estímulos eróticos.

A situação inversa acontece quando o clitóris recebe muito estímulo hormonal (geralmente testosterona), ficando com a glande aumentada e mais sensível. Nesses casos, o simples contato com a roupa íntima pode causar dor.

- O que acontece com o clitóris durante a excitação e o orgasmo?

LAÍSE – Pessoas com vulva têm ereção quando estão excitadas, mas não enxergam porque a maior parte do clitóris é interna. Ao ser estimulado, o clitóris aumenta de tamanho graças à circulação sanguínea intensificada na região perineal. Ele fica preenchido de sangue, realmente ereto, e sua parte externa pode crescer em até 2 cm.

- Existe uma relação entre clitóris e ponto G?

LAÍSE – Muito se discute sobre a existência de uma região, localizada na parede anterior da vagina, responsável pelo prazer máximo sexual (o ponto G). Existem especialistas defendendo que esse ponto seria a parte interna do clitóris: durante a ereção, o órgão faria contato mais íntimo/próximo com o canal vaginal.

De qualquer forma, pesquisas indicam que de 50% a 75% das pessoas com vulva que têm orgasmo precisam ter seus clitóris estimulados. A maioria não consegue chegar ao orgasmo somente com a penetração vaginal – e elas não devem se sentir anormais ou envergonhadas por isso. Conhecer a anatomia do clitóris é fundamental para perceber como ter prazer no sexo e na masturbação.

- É possível fortalecê-lo para gozar melhor? Como?

LAÍSE – Para intensificar o orgasmo, uma dica valiosa é realizar o fortalecimento dos músculos perineais (Kegel/pompoarismo), com contração do assoalho pélvico. A realização desses exercícios diariamente melhora a força de contração e a aumenta a circulação sanguínea no períneo. Ambas favorecem o ingurgitamento e a ereção clitoriana, tornando o orgasmo ainda mais intenso.

É interessante que a palavra clitóris tem origem do grego kleitoris e significa fechar/fechado. Ao longo da História, esse órgão poderoso ficou escondido entre as nossas pernas e foi até excluído dos livros de medicina. Eu te convido a descobrir como essa incrível fonte de prazer pode transformar profundamente sua vida sexual. Quando viramos essa chave, portas se abrem!

 

*Foto: Pexels / Cottonbro

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.