Uma mulher branca está deitada em uma cama. Ela sorri para um homem branco, que faz carinho em seus cabelos. Do outro lado, outro homem branco e sem camisa está olhando para ela.

Ménage à trois: como colocar a fantasia do sexo a três em prática

Um guia para casais que querem realizar o fetiche, mas não sabem nem por onde começar...

Por Mayara Magalhães

Não importa a configuração: dois homens e uma mulher, duas mulheres e um homem, três homens, três mulheres, pessoas não binárias... Ménage à trois (termo francês para sexo a três) sempre está entre as fantasias sexuais mais populares no Brasil, mesmo que muita gente não admita o fetiche ou jamais tenha realizado. Você tem curiosidade de colocar em prática, mas não sabe por onde começar? A seguir, algumas dicas de como tocar no assunto com a parceria, estabelecer regras, conhecer a terceira pessoa, transar com segurança e sem deixar ninguém de fora, multiplicar o gozo.

Quando o casal deve partir para o sexo a três?

É bem comum que os casais busquem o ménage à trois quando o relacionamento está morno, ou seja, para salvar a vida sexual. Muitas vezes uma pessoa cede apenas para atender o desejo alheio, para agradar a parceria. Eu não aconselharia esse caminho: sexo a três não salva namoro nem casamento. Aliás, pelo contrário. O casal deve estar bem entrosado e resolvido antes de sair experimentando algo mais – até porque a entrada de outras pessoas na relação pode levar a conflitos internos.

As dúvidas (e angústias) mais frequentes

Quando o tópico “sexo a três” vem à tona, as pessoas costumam se perguntar coisas como: “Será que eu vou saber o que fazer ou vou ficar perdido(a) na hora H?”; “Devo seguir algum roteiro?”; “Alguém pode ficar sobrando?”; “Vou sentir ou provocar ciúmes?”; “E se minha parceria gostar mais de transar com a outra pessoa do que comigo?”; “E se minha parceria se apaixonar pela outra pessoa?”; “Vale trocar contatos e continuar conversando com a pessoa depois do sexo?”; “Devemos evitar uma pessoa do nosso convívio?”.

Calma: respirem e conversem

Investir na comunicação é o primeiro passo para sair do campo das ideias e viver a experiência na prática. O casal pode começar naturalizando os desejos, entendendo que é possível amar uma pessoa e ter vontade de transar com outras. Alinhem as expectativas em relação à experiência e discutam limites. Essa estratégia é fundamental para minimizar questões tanto na hora do sexo quando depois dele.

Cláusulas do acordo

Vocês podem decidir se a terceira pessoa deve ou não ser conhecida do casal. Avaliem se ficariam mais confortáveis com sexo e adeus ou topam até tomar café juntes no dia seguinte. Todo mundo participa ou uma pessoa deseja apenas assistir (voyeur)? Beijo na boca, masturbação, sexo oral, penetração vaginal e anal estão liberados? O que incomodaria e, portanto, não pode?

Mais tarde, esse diálogo deve incluir a pessoa convidada para o sexo a três. Lembrem que ela tem o direito de opinar e concordar (ou não) com as regras. Estabelecer uma palavra de segurança também pode ser válido caso a situação não agrade ou saia do controle e alguém tenha receio de se manifestar. Consentimento é fundamental e inegociável.

Como conhecer a terceira pessoa

Pode ser à “moda antiga”, com o casal frequentando bares, baladas e festas liberais. Se não quiserem sair de casa, pesquisem nas redes sociais voltadas para fantasias sexuais (como o Sexlog) e nos aplicativos de encontros (Tinder, Hapnn etc). A escolha da pessoa convidada deve ser um consenso e a atração, mútua. Precisa rolar química suficiente para o sexo a três.

Preparem o ambiente

O local onde o trio vai se encontrar também é importante para que o sexo flua. Será que a melhor escolha é dentro de casa? Talvez valha a pena investir em um cenário diferente na realização do fetiche. Uma boa música pode evitar silêncios constrangedores, ajudar a relaxar e entrar no clima. Água, géis lubrificantes e alguns brinquedinhos eróticos também são muito bem-vindos.

Multipliquem os cuidados

Para evitar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e gravidez indesejada, não esqueçam de aumentar a quantidade de preservativos no local do sexo a três. A cada nova penetração ou sexo oral, a proteção deve ser trocada. Por exemplo: penetrou na sua parceria e agora vai penetrar a pessoa convidada? Tem que usar outra camisinha. O mesmo vale para o uso de vibradores e sex toys.

Ajoelhou tem que rezar?

Não! Qualquer pessoa pode mudar de ideia a qualquer momento se não se sentir à vontade, perder o tesão ou se algum limite for ultrapassado. Nada de se sentir na obrigação de transar só porque está na “cara do gol”. Peça licença e saia se achar que é o caso! Talvez você experimente e conclua que criou expectativas irreais sobre o ménage à trois.

Cá entre nós, o sexo a três é uma prática que pode ser bem superestimada – até por conta do que a gente assiste na pornografia... Então é natural que ela gere ansiedade, principalmente na primeira vez. Mas lidar com a incerteza faz parte da fantasia: dialoguem e se permitam surpreender por algo novo que pode significar um prazer multiplicado.

 

*Foto: Pexels

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.